Paciente sexo feminino, 17 anos, apresenta dispnéia intensa há 2 dias

 Em Estudo de caso

Estudo de caso - Telelaudo

 

Estudo de caso - Telelaudo

 

Estudo de caso - Telelaudo

 

Estudo de caso - Telelaudo

 

Exame de TC de tórax demonstrando em ambas bases pulmonares espessamento liso dos septos interlobulares e leve espessamento peribroncovascular, opacidades centrilobulares nos segmentos posteriores, algumas com tendência a coalescer, associadas à áreas com atenuação em vidro fosco esparsas.

Nota-se ainda pequeno derrame pleural à direita com atelectasia subsegmentar adjacente e fina lâmina de derrame pleural à esquerda. Há ainda dilatação das cavidades cardíacas, notadamente ventricular esquerda.

Exames laboratoriais de rotina normais, paciente sem febre.

Hipótese Diagnóstica:

Os achados sugerem edema pulmonar cardiogênico provavelmente relacionado à cardiomiopatia periparto. O diagnóstico ainda não foi confirmado.

A cardiomiopatia peri-parto, é uma cardiomiopatia dilatada, que pode ocorrer no último trimestre de gestação e em alguns meses após o parto. Sua fisiopatogênese é incerta e fatores genéticos, hormonais, do tônus simpático ou mesmo relacionados à desnutrição podem contribuir.

Os critérios diagnósticos são:

  • Início de insuficiência cardíaca no último mês de gestação ou nos primeiros 5 meses pós-parto;
  • Ausência de uma determinada causa de falência cardíaca;
  • Ausência de lesão cardíaca demonstrável antes do último mês de gestação.

Dentre os estudos complementares para confirmação diagnóstica sugerem-se RM de coração com sequências cineSSFP, principalmente para avaliação evolutiva.

Referências Bibliográficas:

  1. O’Donnell DH, Abbara S, Chaithiraphan V et-al. Cardiac MR imaging of nonischemic cardiomyopathies: imaging protocols and spectra of appearances. Radiology. 2012;262 (2): 403-22. Radiology;
  2. Lazarus E, Debenedectis C, North D, Spencer PK, Mayo-Smith WW. Utilization of imaging in pregnant patients: 10-year review of 5270 examinations in 3285 pa- tients—1997–2006. Radiology 2009;251(2):517–524.

 

VAMOS CONVERSAR?