Telemedicina: O que é e como funciona?

Telemedicina

Telemedicina promove benefícios para profissionais de saúde, gestores de clínicas e hospitais e pacientes. Saiba o que é e como funciona.

As mudanças na sociedade impactam diferentes áreas. A Medicina, por exemplo, passou por transformações essenciais nas últimas décadas em decorrência das inovações tecnológicas, regulamentações e demandas sociais, cenário no qual a telemedicina ganhou destaque e centralidade.

A telemedicina consiste na união dos termos “tele”, que significa distância e “medicina”, portanto, é entendida como as práticas, serviços e atendimentos médicos a distância.

O que é telemedicina?

A telemedicina consiste em uma das subáreas da telessaúde. Enquanto a telessaúde refere-se a todos os serviços e soluções de saúde oferecidos a distância, a telemedicina refere-se especificamente à assistência médica.

Por meio da telemedicina, por exemplo, são disponibilizados outros serviços, como teleconsulta, interpretação de exames médicos (telediagnóstico), telemonitoramento, entre outros.

Atualmente, um aspecto central da telemedicina é que consiste nos serviços médicos mediados pelas Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs), como computadores, celulares e outros.

No Brasil, a regulamentação da telemedicina foi feita pelo Conselho Federal de Medicina na Resolução CFM nº 1.643/2002. Nesse documento, a definição é a seguinte:
“Exercício da Medicina através da utilização de metodologias interativas de comunicação audiovisual e de dados, com o objetivo de assistência, educação e pesquisa em Saúde”.

Qual é a importância da telemedicina?

A telemedicina já tem sua relevância reconhecida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) desde a década de 1990.

Um dos principais motivos da centralidade da telemedicina é para garantir o acesso aos serviços de saúde quando a distância é um aspecto crítico que pode limitar o atendimento médico.

Um exemplo é o uso da telemedicina para disponibilizar serviços de saúde em locais com infraestrutura crítica, como áreas rurais, plataformas de extração de petróleo, comunidades indígenas e ribeirinhas e, até mesmo, astronautas na Estação Espacial.

Além da ampliação do acesso aos serviços de saúde, a telemedicina também é importante por outros fatores importantes, como:

  • redução de custos: por permitir os serviços médicos a distância é possível reduzir custos em locais nos quais os gastos são contingenciados, reduzindo custos locais, mas sem prejudicar o acesso à Medicina especializada;
  • operacionalização: as operações são ágeis e práticas, pois são intermediadas pela infraestrutura de telecomunicações, como a internet, sendo que os atendimentos e serviços podem ocorrer em tempo real, não prejudicando o fluxo de atendimento;
  • segunda opinião médica: torna-se mais fácil e ágil solicitar segunda opinião médica. Por meio da regulamentação da telemedicina, um especialista no Brasil pode solicitar auxílio no diagnóstico de um paciente para especialistas em outras regiões do País ou até mesmo outros países.

Um aspecto importante é que a telemedicina não significa uma flexibilização da atuação do profissional de saúde. Mesmo utilizando a telerradiologia, que é a telemedicina aplicada aos laudos de exames radiológicos, por exemplo, apenas médicos radiologistas com CRM ativo podem interpretar e emitir laudos.

Para que serve?

De acordo com a regulamentação do CFM, a telemedicina pode ser usada para atender demandas em três aspectos:

  • Consultas: consiste na realização de teleconsultas e também em solicitar uma segunda opinião médica ou orientações específicas sobre procedimentos;
  • Assistência: são os casos nos quais a telemedicina é usada para monitorar os pacientes por meio de TICs, como em casos de pessoas com patologias crônicas, medicina preventiva ou gestantes, por exemplo;
  • Educação: são os usos da telemedicina para compartilhamento de informações entre especialistas e atividades formativas de qualificação e aperfeiçoamento dos profissionais da saúde, como cursos, videoconferências, congressos e palestras.

Portanto, são práticas diversas que podem ser usadas para dar suporte à prestação do atendimento médico e também qualificação dos profissionais.

VAMOS CONVERSAR?

[getparam utm_campaign]


Como funciona a telemedicina?

Para o funcionamento da telemedicina utiliza-se uma infraestrutura diversa, como: equipamentos digitais (computador, tablet e celular), sistemas, servidores, internet etc.

Além disso, depende do trabalho conjunto entre especialistas em tecnologia da informação e profissionais de saúde qualificados para operar ferramentas digitais.

Um exemplo atual é o uso de plataformas de telemedicina para atendimentos médicos a distância. O paciente, na casa dele, agenda a consulta, faz o cadastro na plataforma e recebe um link para o atendimento.

O médico, nesse contexto, pode estar atendendo da clínica ou mesmo da própria casa, trabalhando em home office.

Nesse tipo de interação, por exemplo, é essencial que paciente e médico tenham um equipamento (computador ou celular) e acesso à internet, além de um sistema de telemedicina e um mínimo domínio dos recursos digitais.

Quais os benefícios da telemedicina?

A telemedicina apresenta uma série de benefícios aos pacientes e também aos profissionais de saúde e gestores desse setor, como:

  • agilidade operacional;
  • superação de desafios relacionados à distância geográfica;
  • ampliação da cobertura médica;
  • possibilidade de serviços especializados, mesmo em locais que não têm disponibilidade dessa mão de obra;
  • compartilhamento de experiência entre profissionais, melhorando o diagnóstico e encaminhamento dos casos;
  • redução de custos;
  • qualificação dos profissionais.

Portanto, a telemedicina tem apresentado vantagens aos diferentes envolvidos, melhorando e otimizando a gestão em saúde, permitindo que profissionais de saúde qualifiquem-se e possam atuar em home office e ampliando o acesso dos pacientes aos serviços especializados.

Sobre a Telelaudo

A Telelaudo presta serviços de telerradiologia, sendo pioneira no Brasil. Ela foi fundada pelos médicos radiologistas Dr. Flávio Lanes e Dr. Felipe Nirenberg.

Os serviços da Telelaudo tem cobertura em todo o Brasil e entre os exames de imagem que podem ser laudados incluem-se: ressonância magnética (RMI), tomografia computadorizada (TC), radiografia (raios-X) geral, contrastada e no padrão OIT (medicina do trabalho), mamografia, densitometria óssea e odontologia.

São fornecidos serviços de laudos de rotina, urgência e laudos de especialistas, garantindo o atendimento às necessidades de clínicas e hospitais.

SEUS LAUDOS ATRASAM?

Coloque em dia os laudos
atrasados.

SUA EQUIPE ESTÁ INCOMPLETA?

Complete a sua equipe de radiologistas
em qualquer modalidade.

QUER INVESTIR PARA CRESCER?

Amplie o atendimento e conquiste novos convênios.

×