Estudo de Caso: Paciente masculino de 27 anos com incômodos na região sacrococcígea

 Em Estudo de caso, Telelaudo

Paciente masculino, 27 anos.

Apresentou dor, calor e vermelhidão na região sacrococcígea com pequeno orifício na pele drenando líquido turvo, malcheiroso e amarelado.

Achados de imagem

Exame de RM da pelve demonstrando imagem tubuliforme alongada com predominante hipersinal em T2, situada na região sacrococcígea paramediana à direita, exibindo realce parietal após contraste e trajeto fistuloso com a superfície cutânea da linha interglútea à direita. Não há relação com o complexo esfincteriano.

Hipóteses Diagnósticas

Os achados clínicos e de imagem, bem como a localização típica e a não caracterização de comunicação entérica (fístula perianal), permite a hipótese de doença pilonidal.
Os cistos pilonidais interglúteos podem ser clinicamente difíceis de diferenciar de uma fístula perianal. O estudo através de RM permite a visualização do trajeto fistuloso e também é útil na avaliação da inflamação associada.

Cisto pilonidal

Doença pilonidal é a denominação mais adequada para o cisto pilonidal, trata-se de uma doença crônica relativamente comum em adolescentes e adultos jovens, e aparece habitualmente na região sacrococcígea. Há várias formas de apresentações, quando há sinais de infecção e pus o cisto também é chamado de abscesso pilonidal, e pode fistulizar para a pele.

As causas ainda são motivo de controvérsias, acredita-se que existem fatores que provoquem o aparecimento tais como: pelos encravados, atrito e pressão na área sacrococcígea, calor e transpiração, traumas e foliculite.

O tratamento inicial é o seu esvaziamento (incisão e drenagem), e em casos de reaparecimento ou quando o cisto já está em um estágio inflamatório muito avançado, será necessário intervenção cirúrgica após drenagem.

Raramente pode ocorrer malignização em cistos pilonidais, tipicamente em casos crônicos e recorrentes, sendo o carcinoma espinocelular (CEC) o tipo histológico mais frequente, podendo também ocorrer carcinomas basocelulares, sarcomas e melanomas.

Referências Bibliográficas

BALSAMO, Flávia; BORGES, Alline Maciel Pinheiro; FORMIGA, Galdino José Sitonio. Cisto pilonidal sacrococcígeo: resultados do tratamento cirúrgico com incisão e curetagem. Rev bras. colo-proctol.,  Rio de Janeiro ,  v. 29, n. 3, p. 325-328,  Sept.  2009 .
MELLO DF, DEMARIO LA, JUNIOR AH. Carcinoma espinocelular como complicação tardia em doença pilonidal sacrococcígea – relato de caso. Rev bras Coloproct, 2011;31(2): 213-216
Khanna A, Rombeau JL. Pilonidal disease. Clin Colon Rectal Surg. 2011;24:46–53

Sua clínica ou hospital precisa de telerradiologia? Entre em contato com a Telelaudo e faça um orçamento.

VAMOS CONVERSAR?

[getparam utm_campaign]


×