Tendência da telerradiologia após a vacina contra COVID

 Em COVID-19, Telerradiologia

Tendências da telerradiologia para o pós-pandemia devem-se aos benefícios do serviço às equipes de clínicas e hospitais, gestores de saúde e pacientes. 

A telerradiologia está ganhando destaque entre gestores de clínicas e hospitais após o aumento no uso desse serviço em decorrência da pandemia da COVID-19.

A telerradiologia consistiu em uma importante aliada para facilitar o atendimento médico de qualidade, mas com a manutenção do distanciamento social necessário ao controle do contágio.

Muitas das oportunidades identificadas com o serviço durante o período consistem em tendências da telerradiologia mesmo para o momento pós-vacina.

Como a telerradiologia contribui na pandemia da COVID-19?

A telerradiologia permite que equipes locais de clínicas e hospitais realizem exames de tomografia, ressonância magnética, raios-x, mamografia, densitometria e até odontologia e que os laudos sejam emitidos por um radiologista remoto.

Com isso, a circulação de pessoas dentro da clínica ou hospital fica reduzida, o que é uma medida essencial para o controle da pandemia da COVID-19, visando uma diminuição da transmissão.

A contratação de serviços especializados em telerradiologia viabilizou que as instituições de saúde mantivessem a entrega dos laudos em dia em momentos de redução das equipes de saúde que precisam de isolamento ou tratamento em decorrência da COVID-19.

Os exames de imagem também foram usados para diagnóstico e monitoramento dos quadros de pacientes com o novo coronavírus, de forma que a agilidade das equipes de telerradiologia foi fundamental para um suporte médico de qualidade.

Dessa forma, a emissão de laudos radiológicos a distância, que já era uma tendência nos anos anteriores, mostrou elevado potencial durante a crise sanitária mais grave desse século.

Os benefícios da telerradiologia foram observados por médicos, que recebiam laudos de qualidade sem perda de agilidade, pelos gestores hospitalares devido à manutenção do fluxo contínuo de atendimento e pelos pacientes, que recebiam o laudo em pouco tempo e sem necessidade de deslocar-se para isso.

3 tendências da telerradiologia para o pós-pandemia

Com o início da vacinação no Brasil em janeiro de 2021, a sociedade encheu-se de esperança e as perspectivas para o pós-pandemia já começam a ser ponderadas.

No entanto, é relevante destacar que, no início de fevereiro, eram pouco mais de 3 milhões de vacinados no país e os cuidados sanitários ainda são essenciais para reduzir os riscos de contágio.

Com mais de 200 milhões de habitantes no país, a expectativa é que demore meses até que toda a população esteja imunizada e a vida seja novamente parecida com o que era antes da pandemia.

Portanto, a telerradiologia contribuirá durante o período de vacinação com a manutenção do distanciamento social, possibilidade de “home office” para profissionais da saúde e diagnóstico e monitoramento de quadros de COVID-19.

Para o período após a vacina contra COVID, algumas oportunidades geradas pelas tendências da telerradiologia já são esperadas por gestores de clínicas e hospitais.

1. Agilidade na entrega de laudos

Uma das vantagens da telerradiologia deve-se à agilidade dos processos uma vez que eles são mediados por Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) conectadas à internet.

Isso permite que um exame enviado de uma clínica ou hospital ao serviço de telerradiologia, por exemplo, faça esse percurso em questão de minutos, onde poderá ser analisado e devolvido ao solicitante.

É sempre importante ater-se às indicações do contrato. Mas, em média, os laudos de urgência são entregues em menos de 1 hora e os de rotina em até 16 horas.

Essa agilidade cria um fluxo contínuo de atendimento e entrega dos laudos, o que evita o acúmulo de exames sem laudo, redução da capacidade de atendimento ou atrasos nas entregas.

2. Ampliação da capacidade de atendimento

Durante a pandemia observa-se que com a adesão à telerradiologia é possível manter níveis satisfatórios de atendimento e, inclusive, ampliar essa capacidade do setor de radiologia, sendo respeitados os direcionamentos sanitários da área.

Com o trabalho conjunto das equipes internas de radiologia com serviços de telerradiologia, tornou-se possível zerar as filas de laudos e também ampliar os atendimentos devido à capacidade aumentada de emissão dos laudos. 

3. Gestão de colaboradores

Já antes da pandemia da COVID-19 um aspecto crítico na área da saúde era a escala de profissionais, uma vez que muitas clínicas e hospitais não apresentam queda da demanda em finais de semana, feriados ou período noturno quando a equipe está reduzida.

Com isso, ocorre o acúmulo de exames a serem laudados nesses períodos que dificultam a agilidade dos processos e, inclusive, a gestão de colaboradores, sendo que muitos precisam fazer escalas e trabalhar frequentemente nesses dias e horários.

Com a telerradiologia é possível otimizar a gestão de colaboradores, garantindo que os profissionais tenham mais momentos de descanso de qualidade e que isso não resulte em atraso nas entregas, redução dos atendimentos ou sobrecarga dos colegas.

A qualidade de vida dos profissionais da saúde é um aspecto mais valorizado no pós-pandemia, razão pela qual a telerradiologia torna-se uma opção mais frequente entre gestores de clínicas e hospitais.

Portanto, são diferentes tendências da telerradiologia para o pós-pandemia que fazem com que o serviço viabilize uma transformação positiva nos departamentos de radiologia.

VAMOS CONVERSAR?

[getparam utm_campaign]


×