Pronto Atendimento lotado: reduza agora a espera de pacientes com a telemedicina

 Em Destaques na Saúde, Telemedicina

Saiba como organizar e reduzir o fluxo de pacientes no hospital aumentando a agilidade e eficiência dos atendimentos

A organização e controle do fluxo de pacientes no hospital são fundamentais para que a equipe médica consiga prestar um atendimento eficiente e adequado em uma emergência, como é o caso dos pronto atendimento.

Diversas diretrizes e políticas públicas já foram adotadas com o objetivo de melhorar essa área, no entanto, ainda existem desafios a serem superados na gestão de hospitais para torná-la mais efetiva.

Atualmente, a tecnologia e a modernização dos processos têm auxiliado na melhor recepção de pacientes e encaminhamento médico. Saiba mais a seguir.

Quais os desafios no Pronto Atendimento?

Por lidar com emergências, o pronto atendimento é um dos serviços médicos mais desafiadores. Ele precisa ser ágil e eficiente para reduzir o fluxo de pacientes no hospital, sem comprometer a prestação do serviço em si.

A seguir apresentamos alguns dos principais desafios relacionados com o atendimento no pronto atendimento.

Humanização

A humanização do atendimento consiste em oferecer um suporte personalizado e respeitando as individualidades e particularidades do caso e do paciente em si.

Ela está associada a conseguir prestar o atendimento médico, mas com respeito ao paciente e seus familiares.

Na área de saúde a humanização apresenta-se como um desafio, pois envolve a padronização de processos para garantir a eficiência, sem perder o caráter humanista desse tipo de suporte.

A maior vulnerabilidade do paciente no pronto atendimento, somada a necessidade de rapidez do atendimento para controlar o fluxo de pacientes no hospital estão associadas à dificuldade de fornecer esse tipo de atendimento nas emergências.

Triagem

Outro aspecto crítico do pronto atendimento é a triagem rápida e eficiente dos pacientes para que eles possam ser encaminhados à consulta por ordem de gravidade da ocorrência. No Brasil é adotada a seguinte classificação de risco:

  • Vermelho (emergência): o paciente deverá ser atendido imediatamente pelo médico;
  • Laranja (muito urgente): o atendimento deve ocorrer em até 10 minutos;
  • Amarelo (urgente): o atendimento deverá ocorrer em até 60 minutos;
  • Verde (pouco urgente): o paciente deverá ser atendido em até 120 minutos;
  • Azul (não urgente): o atendimento pelo médico deve ocorrer em até 240 minutos.

Verifica-se assim que a maior parte dos casos demora mais de uma hora para ser atendida, o que resulta em um acúmulo de pessoas na recepção do hospital, causando insatisfação, lentidão e prejudicando o suporte médico.

Tempo de atendimento

Mesmo com a triagem, o tempo de atendimento é um desafio aos prontos atendimentos. Ferimentos do tipo luxação, por exemplo, são classificados como pouco ou não urgentes, o que pode levar entre 2 e 4 horas para ocorrer a consulta.

Posteriormente, o médico solicitará um exame de imagem como os raios-X para verificar se houve comprometimento ósseo. Além de aguardar pelo exame o paciente deverá esperar o resultado no hospital.

Portanto, não é improvável que todo esse processo demore mais de 8 horas, entre triagem e alta médica, o que resulta em um fluxo de pacientes no hospital desnecessariamente elevado e que apresenta mais riscos de contaminação às pessoas.

Como a telemedicina beneficia o fluxo de pacientes no hospital?

A telemedicina faz uso das tecnologias de informação e comunicação (TICs) para auxiliar na prestação de serviços em saúde.

A telerradiologia é a telemedicina aplicada à radiologia e consiste na emissão de laudos a distância no caso de exames de imagem como a radiografia, tomografia e ressonância magnética.

A seguir conheça como a telerradiologia pode contribuir para reduzir o fluxo de pacientes no hospital e oferecer mais qualidade ao atendimento médico.

Atendimento de paciente por telemedicina

Agilidade

Os laudos a distância podem ser elaborados em até 30 minutos nos casos emergenciais, como é o caso do pronto atendimento.

O paciente faz o exame radiológico no próprio hospital e as imagens são enviadas pela internet à empresa da telerradiologia que faz a análise do exame, emissão do laudo e retorno dele também por meios digitais.

Além da agilidade no dia a dia, esse serviço é particularmente útil em plantões noturnos, finais de semana e feriados, períodos nos quais o efetivo médico costuma ser menor.

Fluxo de pacientes

Com o retorno dos laudos de exames ocorrendo em menos tempo, os pacientes podem ser liberados mais rápido, o que garante a redução do fluxo de pacientes no hospital. Isso é benéfico por diferentes razões como:

  • Maior satisfação dos pacientes;
  • Redução dos riscos de contaminação;
  • Melhor organização hospitalar.

Portanto, a gestão hospitalar com foco na agilidade e eficiência para garantir um menor tempo do paciente no hospital é fundamental para melhorar os resultados da instituição.

Referências:
https://www.conass.org.br/consensus/os-hospitais-e-rede-de-atencao-urgencias-e-emergencias-desafios/
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672005000200021
https://www.segurancadopaciente.com.br/noticia/entenda-como-e-a-classificacao-de-risco-em-pronto-socorro/

VAMOS CONVERSAR?

[getparam utm_campaign]


×